• Tv da Rua da Primavera, 05 (rua s/ saída), São João da Talha
  • Segunda à Sábado das 10h às 18h

JN – Pessoas mais familiarizadas com a realidade esotérica

  • Interesse Media Imprensa
  • Cliente JN - Jornal de Notícias
  • Especialista Zila
  • Categoria Leitura das Mãos - Tarot - Cartas
  • Data 28 de Janeiro de 2007
  • Localização Lisboa, Portugal
Alexandra Lopes, Pedro Correia

Carla veio do Porto de propósito, para visitar o 8.º Encontro do Oculto que termina hoje, no Estádio Municipal do Braga. É a segunda vez que recorre às ciências esotéricas. “Acredito porque as previsões têm dado certo, portanto nada me leva a desconfiar”, aponta Carla Torres. Esta visitante recorreu aos búzios na primeira experiência com este tipo de ciência e como gostou veio ontem consultar Luís Togun, pai-de-santo que também lança búzios. Acompanhada de uma amiga, Carla diz que vem pela curiosidade. Tal acontece também com a amiga que revelava um certo nervosismo enquanto esperava a consulta. “Tudo isto é um bocado curioso”, dizia.

É aliás, para satisfazer esta vontade de desvendar que Mestre Alves tem vindo a organizar este tipo de eventos. “Já comecei a notar que as pessoas começaram a perceber que mundo é este e o que se pretende com cada uma das ciências esotéricas”, adiantou Mestre Alves.

Aliás, o organizador acredita que dentro de cinco anos médiuns, astrólogos, tarólogos e videntes estarão a trabalhar em conjunto com psiquiatras e psicólogos.

Zila lê as linhas das mãos conseguindo “ver” mudanças, passadas e futuras, da vida das pessoas. “Faço isto desde de que me conheço por gente”, adiantou explicando que ninguém a ensinou e que faz porque gosta.

Já Maria Imamiah, taróloga diz que é com a experiência que se consegue ler as cartas.

“Acho que as pessoas de cá são muito ligadas ao esoterismo”, avança enquanto diz já ter atendido pessoas de várias profissões e classes.

“Ajudo as pessoas que vêm até mim e eu indico o caminho que devem seguir. Mas, a escolha é sempre delas”, explica.

A adesão à iniciativa, segundo Mestre Alves” tem sido boa acorrendo as pessoas não só para terem uma consulta, mas também pela curiosidade”.

“Acredito até um certo ponto, mas quando tenho dúvidas sobre certas situações recorro a este tipo de pessoas”, diz uma jovem que preferiu não se identificar.

E continuou”Há situações em que nos vemos obrigados a recorrer a estas coisas”.

No mês de Março, o evento volta a Vila Nova de Famalicão. Já passou por vários concelhos com o intuito de “desmistificar” as denominadas “ciências esotéricas”.

JN - Jornal de Notícias

Zila lê as linhas das mãos conseguindo “ver” mudanças, passadas e futuras, da vida das pessoas. “Faço isto desde de que me conheço por gente”, adiantou explicando que ninguém a ensinou e que faz porque gosta.

Oi, como podemos lhe ajudar?
pt_PT
en_GB pt_PT